Pós-Graduação em Imunologia – ICB-USP

Histórico do programa

O Programa de Pós-Graduação em Imunologia foi criado em 1983 a partir da ação conjunta dos docentes do recém-criado Departamento de Imunologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB/USP). Os programas de Mestrado e Doutorado foram criados simultaneamente e receberam conceito A já na primeira avaliação da CAPES. A partir do triênio 1998-2000, quando a CAPES modificou os seus critérios e pontuações, nosso Programa recebeu conceito 6, mas nas avaliações seguintes passou a receber conceito máximo (nota 7), o qual mantém desde então. Uma característica marcante de nosso programa é a variedade de áreas de pesquisa de seus orientadores. Oferecemos linhas de pesquisa em inflamação, alergia, câncer, imunobiologia de vetores, imunogenética, neuroimunomodulação, imunologia de bactérias, vírus, fungos e protozoários, sistema complemento, imunodeficiências primárias e secundárias, autoimunidade, imunometabolismo, morte celular, imunoparasitologia, toxinas e venenos e imunidade neonatal e de mucosas dentre outras.

Objetivos

O Programa de Pós-Graduação em Imunologia do ICB-USP tem como objetivo central a formação de mestres e doutores nas diferentes áreas da Imunologia, oferecendo um currículo sólido que permita o desenvolvimento de pesquisa e docência em Imunologia. Dentre desse mote, nosso programa visa: (a) promover a formação de recursos humanos para docência e pesquisa, num contexto multidisciplinar com ênfase em Imunologia, pautadas na ética, respeito e responsabilidade; (b) fortalecer o ensino em Imunologia; (c) inovar e gerar novas descobertas que possam ser transformados em produtos para beneficiar pacientes de várias doenças; (d) nuclear novos grupos de excelência em Imunologia em Universidades e Institutos de ensino e pesquisa, no Brasil e no exterior; (e) estimular a mobilidade discente e docente, no Brasil e no exterior e fortalecer as colaborações com novos e estabelecidos grupos de pesquisas; (f) dar suporte a busca de financiamentos nacionais e internacionais, em principalmente em projetos em rede para consolidar linhas e grupos de pesquisa e nuclear novos; e (g) difundir a ciência para sociedade civil.

Desde o Mestrado, já se espera que o aluno desenvolva um projeto de pesquisa experimental e original, além de cursar um conjunto de disciplinas que forneça a base teórica geral e atualizada em Imunologia. Quanto aos alunos do Doutorado, espera-se que seu trabalho de pesquisa contribua também para o avanço no conhecimento dos mecanismos de funcionamento do Sistema Imune, não se restringindo a estudos apenas descritivos ou metodológicos.

O corpo de orientadores desenvolve projetos de pesquisa em vários campos da Imunologia, desde a interface patógeno-hospedeiro ao estudo das funções de genes relacionados à resposta imunológica. Entre os projetos de natureza mais aplicada, procuramos estudar os mecanismos imunológicos e genéticos de imunodeficiências e autoimunidades humanas. Além disso, alguns laboratórios possuem atividade de prestação de serviço, realizando exames diagnósticos para imunodeficiências e afecções do sistema complemento. Algumas linhas de pesquisa estão voltadas diretamente para Inovação em Imunologia, com descoberta de novos alvos terapêuticos, desenvolvimento de vacinas e soros imunes e desenvolvimento de ferramentas diagnósticas. Neste último ano, uma nova linha de pesquisa foi estabelecida para estudar o impacto da infecção pelo zika vírus, em especial, o desenvolvimento da microcefalia e de vacinas, coordenado pelo Prof. Jean Pierre Peron (Rede ZIKA Brasil).

Todos os orientadores possuem projetos de pesquisa financiados por agências de fomento nacionais e/ou internacionais, sendo que a grande maioria figura como coordenador responsável por esses projetos. Muitos projetos são desenvolvidos em rede, com a participação de vários pesquisadores em diferentes instituições de ensino (Centro de Pesquisa em Toxinas, Resposta Imune e Sinalização Celular – CEPID FAPES, INCTs de Investigação em Imunologia (iii) e Fluidos Complexos, Projetos Temáticos FAPESP e NAP-PRP USP). Alguns projetos são também realizados em estrita colaboração com instituições internacionais (Instituto Gulbenkian de Ciências, Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa, Universidade de Liverpool, Universidade do Texas, Instituto Imagine da Universidade Paris Descartes, Universidad de La Republica, dentre outras). Ademais, orientadores do Programa fazem parte de grandes projetos em rede, como o GSK-CEPID FAPESP, Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) e Grand Challenges da Bill and Melinda Gate Foundation.

Nestes últimos anos, o Programa tem se dedicado a capacitação de docência para os discentes ao estimular a participação, mesmo quando voluntária, do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino (PAE) e ao promover disciplinas com conteúdos pedagógicos: “O ensino de Imunologia para cursos de graduação (BMI5898-1) e “Aprimoramento didático no ensino da Imunologia (BMI5899-1)”. Ainda neste contexto, nas 4 edições já realizadas do “Curso de Férias de Imunologia”, promovidos pelo Programa, os discentes tiveram participação efetiva das atividades de ensino, sob supervisão do orientador responsável pela criação do curso. Esta preocupação reflete um dos nossos objetivos de formar professores capacitados a ensinar, de forma inovadora, conteúdos de Imunologia para o ensino médio e superior.

Perfil do Egresso

A qualidade da formação acadêmico-científica de nossos egressos pode ser amplamente comprovada pela nucleação que estes profissionais estabeleceram em todo Brasil e também no exterior. Neste sentido, muitos de nossos egressos são pesquisadores estabelecidos e orientadores nas melhores instituições de ensino e pesquisa do Brasil, como é o caso dos Profs. Drs. José Alexandre Marzagão Barbuto, Lourdes Isaac, Maria Regina D’Império Lima, Claudio Romero Farias Marinho, Jean Pierre Schatzmann Peron e João Gustavo Pessini Amarante-Mendes (ICB-USP), Alexandre de Castro Keller, Ana Claudia Trocoli Torrecilhas, Renato Barbosa, Karina Ramalho Bortoluci (UNIFESP), Marcelo de Franco, Nancy Starobinas, Irene Fernandes, Maria Fernanda de Macedo Soares, Carla Lima da Silva, Dunia del Carmen Rodriguez Soto, Eliana Faquim de Lima Mauro, Ana Maria Moura da Silva, Denise Tambourgi (Instituto Butantan), Edécio Cunha Neto, Verônica Porto Carreiro de Vasconcellos Coelho, Maria Notomi Sato, Gil Benard, Dewton de Moraes Vasconcelos, Jacqueline de Fátima Jacysyn (FMUSP), Maria Heloisa de Souza Lima Blotta, Pedro Manoel Mendes Moraes Vieira, Selma Giorgio (UNICAMP), Lúcia Helena Faccioli e Auro Nomizo (FCFRP-USP), Ramon Kaneno e Denise Fecchio (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, UNESP-Botucatu), Ana Angélica Steil (Universidade do Vale do Itajaí), Henrique de Couto Teixeira, Ana Paula Ferreira, Juciane Castro (Universidade Federal de Juiz de Fora), Virmondes Rodrigues Junior (Universidade Federal do Triângulo Mineiro), Maria Cristina dos Santos (Universidade Federal do Amazonas), Filomena Maria Perella Ballestieri (Universidade Federal da Grande Dourados), Phileno Pinge Filho (Universidade Estadual de Londrina), Ana Paula Kipnis, Fátima Ribeiro Dias, (Universidade Federal de Goiás), Valdenia Maria Oliveira de Souza (Universidade Federal do Pernambuco), Flávia Raquel Fernandes do Nascimento, Paulo Victor Soares (Universidade Federal do Maranhão), Claudia Ida Brodskyn (Centro de Pesquisa Gonçalo Moniz, FIOCRUZ-Salvador), Enio José Bassi (Universidade Federal de Alagoas), Rosa Maria Elias (Centro Universitário Várzea Grande – UNIVAG), Angela Falcai e Marcos Augusto Grigolin Grisotto (Universidade CEUMA – Maranhão), entre outros. Além disto, outros egressos são pesquisadores em instituições de renome no exterior, como é o caso dos Drs. Paola Minoprio (Institut Pasteur, França), Carlos Henrique Serezani (Indiana University, EUA), Maria Alicia Curoto de Lafaille (The Singapore Immunology Network, Singapore), Luciana Vieira de Moares (Instituto Gulbenkian, Portugal), Glaucia Furtado (Mount Sinai School of Medicine, EUA), Daniel Mucida e Gabriel Victora (The Rockefeller University, EUA) e Daniel Diniz de Carvalho (University of Toronto/Ontario Cancer Institute, Canadá), Daniel Jacon Ketelhuth (Karolinska Institutet, Suécia), Francisco José Rios (Institute of Cardiovascular and Medical Sciences, BHF Glasgow Cardiovascular Research Centre, Escócia).

Nosso Programa também prepara os alunos para atuarem em diferentes segmentos da iniciativa privada. Somente como exemplo, vários dos nossos alunos foram contratados em empresas privadas, tais como a Becton, Dickinson and Company (BD Biosciences – Brasil), como especialistas na área de citometria de fluxo; Merck Millipore, Johnson & Johnson, como técnicos especializados de Laboratório; na Bayer Brasil, como assistente e direção em pesquisa clínica; na EMD Millipore (Seattle – USA) como especialista de suporte técnico; na Alcon/Novartis como especialista de aplicações clínicas; na Pfizer (EUA) como especialista de suporte técnico, entre outros tantos.

Em 2016, um egresso de doutorado do Programa foi selecionado no Programa de Bolsas para América Latina da Fundação Pew (Pew Latin American Fellows Program, http://www.pewtrusts.org/en/projects/pew-latin-american-fellows/directory-of-latin-fellows/2016/vinicius-de-andrade-oliveira), o Dr. Vinicius Andrade de Oliveira, para pós-doutoramento no laboratório da Profa. Yasmin Belkaid, NIH, EUA.

Grande parte de nossos egressos está realizando pós-doutoramento no exterior (Instituto Gulbenkian de Ciências, Portugal; The Rockefeller University , EUA; NIH, EUA; Universidade de Yale, EUA;  Universidade de Bonn, Alemanha; Universidade de Minessota, EUA; Instituto Maire Curie, França; Florida Internacional University, EUA; Universidade Lubeck, Alemanha, entre outras). Quatro egressos são hoje pesquisadores em Institutos de Ensino e Pesquisa acoplados a Hospitais de Ensino: Mariane Tami Amano (IEP do Hospital Sírio Libanês), Ricardo Weilich, Welbert Pereira e Luiz Sardinha (IEP do Hospital Albert Einstein). Um egresso é hoje Jovem Pesquisador FAPESP estudando Imunologia de Fungos (Dr. Flavio Loures), já supervisionando alunos de iniciação científica. Três egressos são hoje bolsista CAPES PNPD (Dras. Tatiana Takeiishi, Bruna Bizzarro e Priscila Denapolli).

Prêmio Teses (USP e CAPES)

A excelência de nosso programa fica clara em premiações nacionais dos melhores trabalhos do ano. Teses do nosso programa receberam por 2 vezes o Prêmio CAPES de Tese na área Ciências Biológicas III (2008 e 2010), além de 5 menções honrosas (2006, 2007, 2009, 2014 e 2016), totalizando sete premiações até o momento. Também recebemos menção honrosa nas edições do Prêmio Tese Destaque USP em 2014 e de 2015 e a tese vencedora do mesmo prêmio na área de biológicas na edição de 2016 foi de nosso programa.